22/03/2017

ELEIÇÔES LIVRES JÁ! ESTEVE NO HUAMBO: Não podemos só falar na rua ‘não o presidente X não está bom’, por isso é que existe o voto


ELEIÇÔES LIVRES JÁ! ESTEVE NO HUAMBO: Não podemos só falar na rua ‘não o presidente X não está bom’, por isso é que existe o voto
Lobito, 22-03-2017

O projecto ELEIÇÕES LIVRES, JÁ! esteve no Huambo e saíu às ruas para ouvir a opinião dos cidadãos sobre as eleições e nosso processo de 2017.

Para a jovem Luísa Fernandes, “eleições é um determinado período onde um indivíduo vai escolher qual é o seu partido de preferência, ou seja, o partido que vai levar avante o nosso país.”


Já o Fernando Simapi disse que “eleições é um dado momento em que cada um pensa naquilo que ele pretende para o seu bem e o do país.”

Por outro lado Jacinta Silas considera que ato de voto “é para votar num partido melhor.”


Luísa Fernandes afirma que é “neste período [se escolhe] qual será o presidente que vai levar avante o nosso país. Não podemos só falar na rua ‘não o presidente X não está bom’, por isso é que existe o voto. Informa também que para votar é preciso ser cidadão angolano, a partir dos 18 anos e com cartão de eleitor actualizado.

17/03/2017

OFICINAS DE JORNALISMO NAS ESCOLAS PÚBLICAS SÃO AVALIADAS PELOS MONITORES

OFICINAS DE JORNALISMO NAS ESCOLAS PÚBLICAS SÃO AVALIADAS PELOS MONITORES
Lobito, 17-03-2017

OKUPAPALA é uma palavra Umbundu que significa em português “brincadeira”, “brincar”. Esta é a intenção da OMUNGA que através desta forma de intervir, pretende desenvolver e promover a cidadania através da cultura.

Algumas das acções prendem-se com oficinas em escolas primárias públicas, nomeadamente da Zona 3 e do Bairro 27 de Março, no Lobito. Através destas oficinas, as crianças, e não só, podem desenvolver diferentes habilidades que vão desde a capoeira, música, poesia, teatro e jornalismo.

A oficina de jornalismo é desenvolvida por jovens monitores que também estão a receber formação nesta área, dentro da intervenção da OMUNGA: É a estratégia de replicar o aprendizado.

Para além de se pretender desenvolver conhecimentos em torno do jornalismo e de vídeo-reportagem, deseja-se desenvolver valores de cidadania como o trabalho em equipa, a responsabilização, a planificação e prestação de contas em conjunto, processos de eleição e por aí vai.

Os alunos são assim responsáveis por pesquisar, usando o espaço da OMUNGA ou durante visitas à Mediateca em Benguela, fazer a cobertura das actividades que envolvem as crianças das escolas, mas também efectuar reportagens sobre temáticas da sua escolha ou sugestão. Devem assim produzir os jornais murais das suas escolas e fazer regularmente apresentações junto das demais crianças das suas escolas como dos encarregados de educação e dos professores. Para isso devem também aprender bases do uso de alguns programas de informática que lhes facilite esse trabalho. As escolas deverão ainda dinamizar as suas páginas da internet, através do facebook, onde deverão divulgar as suas notícias e estabelecer os contactos e intercâmbios com outras escolas.

A OMUNGA decidiu ouvir durante esta fase de arranque do projecto que é apoiado pela embaixada do Canadá e do NED, dois dos monitores destas oficinas, nomeadamente Prata Kumi e Donaldo Sousa (voluntários).


URGENTE: A SAÚDE ESTÁ DOENTE

URGENTE: A SAÚDE ESTÁ DOENTE
Lobito, 17-03-2017

O estado de saúde a nível do município do Lobito continua deveras preocupante. Principalmente no que se refere às comunidades mais pobres e desfavorecidas. Nos hospitais públicos tudo é necessário pagar-se, consultas e análises. Por outro lado não possuem nem medicamentos nem equipamento básico quer para cirurgias ou para os curativos.

Em 2015 a OMUNGA acompanhou o registo de 48 óbitos ao nível das comunidades de moradores de rua localizados na zona urbana da cidade do Lobito. Uma elevada taxa de mortalidade tomando em conta o tamanho desta população.

Foi assim que tentou negociar com a direcção municipal da saúde no sentido de, por questões específicas destas comunidades, de que pessoal da saúde pudesse fazer uma ronda pelas ruas de forma regular de forma a ter-se um levantamento dos casos de doença e seu encaminhamento e acompanhamento mas também de aconselhamento.

Não havendo essa possibilidade, a saúde disponibilizou a possibilidade dos membros destas comunidades, desde que acompanhados por informação da OMUNGA, passassem a fazer as consultas, análises e demais exames a nível do Hospital municipal e da maternidade, sem qualquer encargo financeiro.

Este passo já resultou numa quebra de registos de mortalidade em 2016 de apenas 6 casos.

Infelizmente, a situação não tem vindo a facilitar uma vez que estes centros de saúde não possuem normalmente nem medicamentos e nem outros equipamentos quer para atendimento de doenças, como para casos mais graves que necessitam de intervenção cirúrgica.

A OMUNGA decidiu então, como o apoio da Christian Aid, começar a apoiar em medicamentos e outro material sanitário, nos casos mais graves, especialmente os que exigem cirurgias. Os medicamentos são entregues mediante as receitas medicas, com termos de entrega em que quer o doente como os funcionários hospitalares testemunha a entrega. Isto tem facilitado com que os doentes consigam terminar os seus tratamentos e por outro lado já tem havido uma maior participação dos centros hospitalares com medicamentos também.

No entanto, a situação de tuberculose tem vindo a agravar e estranhamente, os doentes queixam-se que são obrigados a comprar os medicamentos já que não são disponibilizados nos centros especializados.

Este é o caso de Augusto Lukembe, morador de rua que sofre de tuberculose. Perante estes casos, a OMUNGA decidiu, para além do apoio com medicamentos, iniciar o apoio com alimentos básicos. Nesta conformidade e cientes da impossibilidade a nível local de haver uma solução para este grave problema, a OMUNGA endereça uma carta ao Ministro da Saúde e ao Represente do PNUD em Angola para que expliquem tal situação e tragam imediata solução.

Por outro lado, e enquanto vivemos este estado de emergência, a OMUNGA apela à solidariedade de todos para que possam fazer os seus donativos nos nossos escritórios localizados no Bairro da Luz, Rua da Bolama, casa nº 4 ou podem contactar pelos terminais +244 272 221 535/913 641 941/925 690 207 ou ainda pelo email zpatrocinio@omunga.org.


OKUPAPALA: CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS APRENDEM A RESPEITAR O MEIO AMBIENTE

Durante a visita aos viveiros do aviário Sta. Filomena em Benguela

OKUPAPALA: CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS APRENDEM A RESPEITAR O MEIO AMBIENTE
Lobito, 17-03-2017

Dentro do projecto OKUPAPALA e financiado pela embaixada do Canadá, crianças das escolas primárias públicas da Zona 3 e do 27 de Março estão envolvidas em actividades de reconhecimento de cidadania através de aprendizado sobre o meio ambiente e a influências dos nossos hábitos na qualidade de vida.

É assim que a 24 de Fevereiro de 2017, as crianças, acompanhadas por uma professora e pelos activistas da OMUNGA, visitaram os viveiros do aviário Sta. Filomena, localizados em Benguela, junto ao rio Cavaco.

Durante a visita, receberam informações diversas sobre as plantas, a sua importância e utilidade e também falaram possibilidade de se produzirem plantas sem produtos químicos.



Já a 4 de Março de 2017, crianças da escola do 27 de Março, visitaram o atelier “Era Uma Vez”, localizado também em Benguela.

Durante a visita, as crianças puderam ter contacto com diferentes objectos produzidos a partir da reutilização, ou seja, usando materiais que deixaram de ter interesse, poderem-se fazer coisas novas e engraçadas. Aprenderam a olhar de forma diferente para o “lixo”.





15/03/2017

ELEIÇÕES LIVRES JÁ! MULHERES DO CASSAI MANDAM AVISO AOS POLÍTICOS

Moradora do bairro do Cassai avisa os políticos

ELEIÇÕES LIVRES JÁ! MULHERES DO CASSAI MANDAM AVISO AOS POLÍTICOS
Lobito, 15-03-2017

Os repórteres comunitários do Cassai que estão a acompanhar o processo eleitoral 2017, sob o lema ELEIÇÕES IVRES JÁ! Ouviram algumas mulheres daquela comunidade.

As mulheres avisam os políticos:
“Não ando a entender quase nada, porque do primeiro tempo antrepassado, nós já votámos aqui na escola da Cangamba....
.... água é preciso pago.... aqui é preciso com dinheiro, até quando?

O conselho que estou a entregar, o que eu quero é que, se o governo gosta de nós própria mesmo, para chegar até aqui no bairro do Cassai”


ELEIÇÕES LIVRES JÁ! OS VOTOS DE PAZ DAS MULHERES DO CUBAL

Miss Cubal enquanto enviava a mensagem de paz em relação ao processo eleitoral 2017

ELEIÇÕES LIVRES JÁ! OS VOTOS DE PAZ DAS MULHERES DO CUBAL
Lobito, 15-03-2017

Já está em curso o processo eleitoral de 2017. Nesta conformidade, de maneiras a que as eleições sejam livres e justas, é necessário haver um clima de paz, de tranquilidade e de tolerância.

Foi assim que os repórteres comunitários formados pela OMUNGA, estiveram no Cubal e ouviram as mensagens de mulheres.


12/03/2017

O MEIO AMBIENTE: ENFOQUE DO OKUPAPALA

O MEIO AMBIENTE: ENFOQUE DO OKUPAPALA
Lobito, 12-03-2017

A abordagem sobre o meio ambiente começa a ser cada vez mais urgente e prioritária. É assim que o OKUPAPALA, uma das áreas de intervenção cultural da Associação OMUNGA tem vindo a trazer às comunidades esta temática.

Desta vez, iniciou oficinas de reciclagem com alunos de escolas primárias públicas do bairro 27 de Março e da Zona 3, no Lobito, com o propósito de promover a reflexão nas crianças.



Estas oficinas consistem, actualmente, em visitas ao Atelier “Era Uma Vez”, da Edna Kioka, em Benguela, com grupos de crianças das diferentes escolas. Nestas visitas, as crianças podem tomar contacto, muitas pela primeira vez, com trabalhos feitos a partir do “lixo” e ao mesmo tempo receber informações diversas sobre reciclagem e reutilização.



A primeira visita foi efectuada a 2 de Março de 2017, com 17 crianças da escola do Bº 27 de Março, zona alta da cidade do Lobito, das quais 9 eram meninas. O grupo foi acompanhado por um representante da comissão de moradores da comunidade do 16 de Junho (Bº 27 de Março) e por activistas da OMUNGA.

Estas actividades estão a ser financiadas pela embaixada do Canadá.