01/05/2018

BUROCRACIA E CENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA IMPEDEM ACTIVIDADES DA OMUNGA NO CAIMBAMO


Os activistas na chegada ao Caimbambo
Lobito, 30 de Abril de 2018
NOTA DE REPÚDIO
A Associação OMUNGA, em seu nome e em nome dos activistas de Luanda e de Benguela que fizeram parte da comitiva que se deslocou ao Caimbambo a 27/Abril/2018, vem pela presente expressar o seu elevado protesto em relação ao impedimento que foi imposto à realização das actividades programadas para aquela localidade.
De acordo ao Sr. Administrador Adjunto que se encontrava em exercício, não seria permitida a realização das referidas actividades uma vez que não tivera tomado conhecimento das mesmas. Alegou ainda o facto de que para o efeito merecia o parecer do governador da província.
Por outro lado, o Administrador garantiu ao telefone que tinha consigo a carta enviada antecipadamente pela OMUNGA mas que necessitava do parecer favorável do governador da província.
A deslocação ao Caimbambo que envolvia membros da OMUNGA e activistas de Luanda e de Benguela enquadra-se dentro das acções do projecto CONSTRUINDO A PAZ e tinha 3 propósitos fundamentais:
1 – Recolher informações sobre o actual contexto político do município do Caimbambo, através de um encontro com as entidades administrativas, partidárias, tradicionais e religiosas;
2 – Fazer a entrega de donativos (material escolar) à escola primária da Lómea recolhidos durante a campanha de solidariedade “OVOKO YE KWATISSO VA LÓMEA – UMA MÃO PARA A LÓMEA” a nível de Luanda e de Benguela e mesmo de cidadãos angolanos na diáspora;
3 – Desenvolver intercâmbio entre activistas das diferentes províncias e o seu contacto com as diferentes realidades nacionais.
Esta deslocação ao Caimbambo e estas actividades são do conhecimento prévio das entidades a nível provincial, nomeadamente o governador e o director provincial da educação, bem como das autoridades a nível municipal como sejam o Administrador, comando municipal da polícia, repartição municipal da educação, direcção da escola da Lómea e comunidade.
Ao mesmo tempo as actividades envolveram gastos e expectativas que foram frustradas pela impossibilidade da sua efectivação.
A OMUNGA e seus parceiros condenam veementemente o actual sistema administrativo que se demonstra um verdadeiro obstáculo para o desenvolvimento da democracia, tomando em conta a sua elevada centralização e burocratização o que justifica e reforça a ideia da imediata concretização do processo autárquico no país.
Por outro lado aproveita informar que o encontro de intercâmbio entre os activistas de Luanda e de Benguela decorreu de 28 a 29 de Abril, na praia da Restinga, Lobito e que está a remarcar uma nova deslocação ao Caimbambo para que se efective a entrega dos donativos à escola da Lómea e se faça uma avaliação do actual contexto político do município.


Acampamento do Mini Fórum de activistas na Restinga, Lobito

Sem comentários: