11/04/2010

NÃO PARTAM A MINHA CASA: BENGUELA DÁ LIÇÕES DE CIDADANIA

Acabar com as demolições, desalojamentos forçados e expropriação indevida de terras, é o objectivo da campanha NÃO PARTAM A MINHA CASA.


Promovida inicialmente pela OMUNGA, a partir de Benguela, rapidamente se transformou num amplo movimento nacional e internacional de protesto e de solidariedade.


Como resposta, o governo provincial de Benguela proibiu abusivamente a primeira marcha de protesto organizada para 25 de Março de 2010. A presença nas ruas de cerca de 3 centenas de efectivos da polícia de intervenção rápida apoiados por cerca de 30 viaturas de todo o tipo, armamento diverso, incluindo granadas de gás e pela unidade canina, foi uma das formas que o executivo encontrou para manter caladas as bocas que querem gritar "NÃO PARTAM A MINHA CASA".


Nessa mesma altura, um comunicado ameaçador do governo provincial de Benguela era lido nas rádios locais de forma a impedir a adesão. Por outro lado, representantes de várias instituições do estado a nível da província davam entrevistas a vários orgãos da comunicação social, mostrando a arrogância e a ameaça.


A razão insistiu. As reacções fizeram-se sentir e mais uma onda de solidariedade para com a marcha surgiu das diferentes partes do país e do mundo. Do Bangladesh à Inglaterra, passando pela Guatemala e Togo, foram inúmeras as cartas dirigidas ao executivo angolano, incluindo à Presidência da República, exigindo o respeito pelos direitos mais elementares plasmados na Constituição, na diferente legislação nacional e nos tratados internacionais de direitos humanos.


A razão insistiu. A OMUNGA marca nova data para a marcha. 10 de Abril de 2010 volta a ser o novo marco. Nova luta pelo respeito dos direitos humanos se transforma em palco de argumentações e contra-argumentações. O governo de Benguela volta a reagir. Mais uma vez, à margem da legalidade, não autoriza a realização da marcha. Mas a sociedade civil não se calou nem se deu de vencida. Avançou, apelou ao bom senso e à necessidade de se respeitar a dignidade humana.


A 10 de Abril de 2010, cerca de centena e meia de cidadãos desafiam o silêncio e marcham pelas ruas da capital benguelense. Não era o número de manifestantes que importava. O que importava (e importa) é que Benguela estava a dar uma lição de cidadania. Os gritos de protesto encheram as ruas e desta forma, chamaram à atenção do mundo de que a democracia é possível. E assim provou! A marcha pacífica promoveu avanços no processo democrático de Angola. Foi mais um degrau que a sociedade civil construiu nesta longa caminhada. Foi mais uma prova do papel importante da sociedade civil que não pode ser, em momento algum, negado.


A sociedade civil provou que não pode ficar à margem nem afastada de todos os processos políticos em curso no país. Ela é, cada vez mais, uma peça fundamental para a construção da Angola de todos.


Mesmo "não autorizada" pelo governo de Benguela, a marcha mereceu a devida intervenção da unidade de polícia de trânsito à qual, pretendemos aqui, deixar clara a nossa gratidão. Através da sua unidade motorizada e não só, a polícia de trânsito de Benguela foi durante todo o percurso, ajudando a organizar o trânsito para que não houvesse qualquer impedimento ou constrangimente. Muito obrigado Polícia de Trânsito de Benguela.
Mas nem tudo foi feliz. Infelizmente, a Administração municipal de Benguela, demonstrando que ainda muito se tem que aprender, organizou para o mesmo dia, hora e local, uma actividade pública. É assim, que durante a manifestação, teve-se que mudar de percurso para se ter que inventar um outro local de chegada. O Largo de África estava vedado. Porque não o jardim perto do mercado municipal? O também chamado "jardim milionário", foi assim honrado, desta vez, com a imagem da cidadania contrariando a imagem que nos assombra da corrupção!








10 comentários:

Gilson Lázaro disse...

Está de parabéns a OMUNGA pela conquista de mais um passo da cidadania angolana. Os meus votos de sucessos.

Walnandes disse...

Viva a perseverança no exercício de cidadania e solidariedade! Parabéns OMUNGA!

Anónimo disse...

Bravo Benguelenses que participaram na manifestação! Bravo Benguelenses que se solidirazam on-line! Mais uma vez fica demonstrada a coragem do Povo do Sul. Parabéns, parabéns OMUNGA!!

Que, um dia, a terra seja leve aos vendilhões das terras do Povo, traidores das Nações Indígenas, fariseus do capitalismo que continuam sem um pingo de vergonha nas fuças, lacaios descendentes daqueles que há 500-400-300 anos kwatavam nossos filhos e filhas e as vendiam a imperialistas a troco de missangas e bebida para serem escravos nas Américas.

Benta Muller

Conceição disse...

Sou benguelense e embora não viva na minha terra, interesso-me por aquilo que lá se passa. Fiquei triste quando aí estive para matar saudades e vi a miséria do povo. Não foi isto que o MPLA prometeu aos seus filhos quando lutava pela independência, nem é isto que o Hino nacional de Angola diz" UM só Povo uma só Nação". Neste momento Angola não é um só povo nem uma só nação e todos sabemos porquê. Hoje, fiquei Feliz por terem conseguido realizar esta marcha, num claro apoio ao Povo sofredor de uma Angola que poderia ser um exemplo para o mundo, mas que devido à cobiça e à ganância daqueles que a governam, não deixam os seus filhos poder usufruir do seu chão e de tudo aquilo que a sua Terra lhes poderia oferecer. Parabéns àqueles que tiveram a coragem de avançar e não tiveram medo. Atitudes destas, decerto farão acordar consciências. Continuem com coragem
e determinação. A Justiça, a Paz e a Solidariedade vencerão. Obrigada por existirem.

Anónimo disse...

Parabéns, Omunga. Parabéns, Zeto e brigadistas.
Fico muito orgulhosa de voces, das lutas, pelas crencas, pelo trabalho.
Beijao, Mirella

Anónimo disse...

Parabéns.

1. Omunga, pela marcha contra a injustiça

2. Policia Nacional, por ter cumprido o seu papel

Anónimo disse...

Parabéns pela iniciativa e causa justa que defendem, que todos devemos defender.

Que sirva de exemplo a todos os angolanos que têm tantas causas a defender, tantos protestos a manifestar.

O País é cada vez menos NOSSO, temos que fazer alguma coisa para mudar.

É hora de desafiar quem precisa ser desafiado, para provarem a tal democracia que dizem praticar.

Orgulho-me de ser benguelense e orgulho-me de ser angolana, embora me sinta triste no meu próprio País.

Merlini disse...

Meu Povo
Muitos destes ditadores que nos governam hoje,...fazem parte de um bando de oportunistas que compactuaram para a eliminação do maior lider Angolano num momento decisivo em que traçávamos o caminho rumo a um futuro com garantias de bem estar geral para todos.
Infelizmente ele foi eliminado e o processo diluiu-se transformando-se agora numa vergonhosa Ditadura imposta por LADRÕES.
O Povo ainda está Vivo e vai concerteza corrigir esse erro,...Vamos cumprir agora um pedido do nosso lider:
Vamos "Partir os dentes á pequena burguesia reaccionária" e devolver o País ao legítimo Povo Angolano.

Anónimo disse...

Os demolidores de casas, deveriam preocupar-se mais com questões sanitárias e de saúde, como por exemplo, limparem os rios as prais e os mercados de abastecimentos, que estão com um aspecto deploravel. Façam uma campanha a pedir limpezas a estes sítios,para mostrar a esses senhores que mais importante que as demolições é a saúde, que sem higiene torna-se difícil. Viva Benguela, vivam os Benguele4nses.

nangola disse...

O único comentário que acho adequado para a atual situação:"cry the beloved country..."