06/02/2013

POLÍCIA É O AGENTE DE NEGOCIAÇÃO DE GREVES? SHOPRITE ENTRE A REALIDADE E O PESADELO

Conforme temos acompanhado, trazemos hoje mais informações sobre a greve da SHOPRITE. Sem qualquer conclusão de processo negocial, a Polícia Nacional aparece como intermediário (a ordens de quem?) substituindo o Ministério do Trabalho e Segurança Social! Prometemos divulgar toda a informação ligada a esta greve na próxima postagem.

SHOPRITE espezinha direitos, insulta e agride! Intocável! Como se um anjo a defendesse! Lembramos que foram 155 trabalhadores que assinaram a acta de formalização da greve. 

Como traído, o Sindicato divulgou ontem um comunicado a formalizar a continuação da greve que, em nosso entender, passa a ser a luta de trabalhadores ilegalmente despedidos já que as portas do referido supermercado permanecem abertas com o trabalho dos fura-greves, com a protecção da segurança privada e da polícia nacional e o silêncio criminoso do governo!

No entanto é visível a pouca aderência dos consumidores. Sejamos solidários com estes trabalhadores! Façamos uma corrente! Boicotemos a SHOPRITE! Avise sua família e amigos, não façam compras na SHOPRITE e podemos todos dizer:

NÃO FAÇO COMPRAS NA SHOPRITE! VIOLA OS DIREITOS DOS TRABALHADORES, DOS CONSUMIDORES E É RACISTA!


Outros links relacionados com o assunto:
http://quintasdedebate.blogspot.com/2013/01/shoprite-em-greve-quem-da-ordem-para.html
http://quintasdedebate.blogspot.com/2013/01/shoprite-do-lobito-em-greve.html
http://quintasdedebate.blogspot.com/2013/02/continua-greve-da-shoprite-e-entidade.html
http://quintasdedebate.blogspot.com/2013/02/depois-de-promessas-gerencia-da.html

1 comentário:

Alberto Camboe disse...

NUNCA DEVEMOS CLASSIFICAR O LIVRO PELA CAPA, SHOUPRAT QUEM DERIA! UM SUPER MERCADO DE RENOME, COM ESTAS ATITUDES, COMO SE NÃO BASTASSE, O SENHOR ESTEFANE DIRECTOR GERAL, CHAMOU DE MERCADO DOS MACACOS E PRETOS, ISTO MIM ENRRITOU,PORQUE NA VERDADE É NESTE MERCADO ONDE FAZIA SEMPRE AS MINHAS COMPRAS, MAS PENÇAVA QUE NÃO FOCE DOS MACACOS. A CREDITO QUE ENRRITA A QUALQUER ANGOLANO, NA SUA PROPIA TERRA A SER CHAMADO DE MACACO, PRETO, POR UM ESTRANGEIRO.